quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Mentiras

Às vezes penso que tem gente que possui uma patologia. São pessoas que não mentem, elas brincam de mentir. ‘Mentirite’ crônica sabe? É algo a ser estudado. Com certeza aí pelo mundo já deve ter algum cientista que teve a curiosidade de descobrir por que as pessoas mentem tanto. Na realidade neste exato momento vou lá no pai dos burros da internet saber se existe algo falando sobre isso. Vamos senhor Google, me diga algo!



E eis que eu descubro a teoria da mentira. Criada pelo Profº Fernando G. Sampaio da Escola Superior de Geopolítica e Estratégia a teoria diz que o objetivo da mentira é nos impedir de distinguir o verdadeiro do falso. É confundir, é iludir, é enganar e, assim, nos levar a tomar decisões erradas (para nós), mas que beneficiam quem criou e espalhou a mentira. Sábio professor.

Mas eu vou mais além. Mentira é uma espécie de querer o mal da pessoa. Quando se esconde uma verdade está se tirando o direito dela de tomar a decisão correta para uma situação. Explico: quando você mente, de uma forma ou de outra você a está prejudicando por que ela poderia muito bem buscar a forma correta de resolver as coisas. Imagine alguém resolvendo uma mentira. É ou não é papel de bobo que essa pessoa está fazendo?

Mas todo castigo para o mentiroso é pouco. Qual o castigo do mentiroso? Descobrir que no final ela (a mentira) realmente tem pernas curtas. E a mentira é descoberta. Não tem lição maior para o mentiroso do que descobrir que nem todas as mentiras que conta dá certo. Mas nada deve ser pior do que não saber se o que ele possui verdadeiramente é dele ou não. Ou mesmo se ele possui uma vida. Se ele vive a vida inventada por ele ou a sua vida real. E aí o mentiroso fica preso em suas próprias mentiras. 



E no final devemos ser como Pitty diz: “Mesmo que seja estranho, seja você. Mesmo que seja bizarro, bizarro, bizarro”. É muito melhor as pessoas te amarem pelo que você é do que pelo que elas acham. Máscaras um dia caem.



Por Karoliny Dias
semessadeamelia@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário